Marketing Multinivel vs Piramide

Qual a Diferença entre Pirâmide Financeira e Marketing Multinível

Avalie a importância deste artigo! Vote!
[Total: 68 | Média: 3.7]

 

 

Se você não sabe qual a diferença entre a Pirâmide Financeira e Marketing Multinível, esse artigo e para você. Aprenda e fica atento!

Piramides Financeiras

Mesmo proibidas no Brasil, as chamadas pirâmides financeiras continuam atraindo milhares de pessoas com a promessa de ganho financeiro rápido e fácil.

O esquema utiliza a venda de um determinado produto ou serviço como disfarce, e os participantes são remunerados principalmente pela indicação de outros associados, sem levar em consideração a venda real do produto. Quando o dinheiro não é o suficiente para cobrir as despesas, o atraso nos pagamentos começa a acontecer repetidamente, até se tornar insustentável e gerar perdas para quem investiu.

A Constituição Federal assegura o livre exercício de qualquer atividade econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa.

O Código Penal (Decreto Lei n° 2.848, de 07.12.1940) impõe limites à comercialização ao penalizar fraudes ou vantagens ilícitas, incluindo entre elas os sistemas piramidais ou correntes de felicidade.

Os golpes financeiros têm alcançado um novo espaço de divulgação, com maior rapidez na criação dos esquemas ilegais. Segundo o promotor de defesa do consumidor, Paulo Roberto Binicheski, a internet é a grande aliada do sistema ilegal. “Hoje, pode-se praticar essas atividades de casa e em questão de dias o esquema já está montado, devido ao uso da internet e às novas tecnologias que estão ao alcance de muitos”, enfatizou.

O Ministério da Justiça lançou uma cartilha para explicar as diferenças entre as pirâmides financeiras, que são ilegais, e o marketing multinível, que é canal de distribuição de produtos e serviços legal.

G1

A prática da configura crime contra a economia popular, conforme prevê a lei n° 1.521. O promotor Paulo Roberto Binicheski ressalta que esta atividade costuma estar associada a outros crimes, como lavagem de dinheiro, além de responsabilizar quem integra a organização. “Quem participa do esquema de pirâmide é tão criminoso quanto os que estão no topo. Eu gosto de usar a expressão do Direito Penal “dolo”, pois não existe ganho fácil, é necessário trabalhar arduamente para conquistar algo”, finalizou.

Máquina de Cadastros – Descubra como Atrair um Número INFINITO de Novos Distribuidores para o seu Negócio!

clique-aqui

 

A Associação Brasileira de Vendas Diretas (ABEVD), responsável pela atividade de venda direta no Brasil, conta hoje com mais de 65 empresas associadas, onde os associados se orientam por um código de ética baseado no modelo mundial da World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA). Segundo a diretora executiva da associação, Roberta Kuruzu, “a venda direta é aquela efetuada por meio de relacionamento, por profissionais autônomos e fora do estabelecimento fixo. Dada a característica autônoma e independente desta atividade é importante estabelecer regras de conduta, a fim de evitar que esses profissionais atribuam qualidade ou características ao produto que não sejam verdadeiras”, afirma.

No esquema piramidal os produtos e serviços não têm valor comercial e muitas vezes, nem existem. Normalmente, os participantes são remunerados somente pela indicação de outros indivíduos ao esquema, sem precisar vender nada.

Nesse esquema, o recrutamento é estimulado ao máximo, com a promessa de dinheiro fácil e rápido, mas quem ganha realmente são os primeiros que entraram no negócio, independentemente do esforço realizado. Por isso, é considerado ilícito.

ABEVD

Como forma de monitorar o cumprimento das normas contidas no Código de Ética, a ABEVD possui um canal de denúncias no site, onde o administrador do código pode recomendar a organização o cancelamento de pedidos, a devolução de produtos adquiridos, o reembolso de pagamentos ou outras medidas, incluindo o cancelamento ou a rescisão do contrato comercial do revendedor direto, e também aplicar advertências à empresa.

Marketing Multinível

Empresas de distribuição multinível são aquelas que comercializam produtos por intermédio de comerciantes ou distribuidores que, por sua vez, patrocinam outros, recebendo pagamentos baseados sobre as vendas realizadas pelos patrocinados.

LEIA TAMBÉM:  Os 10 Indícios para Identificar um Golpe de Pirâmide Financeira

As leis brasileiras não proíbem tal sistema de distribuição, sujeitando-se quem dele se utiliza às normas legais a que estão sujeitas as empresas em geral.

Os pagamentos correspondentes às vendas feitas pelos patrocinados estão sujeitos ao recolhimento do imposto de renda na fonte, bem como, no caso de pessoa física, à contribuição para o Instituto Nacional de Seguridade Social.

A linha que separa a prática da pirâmide financeira e do marketing multinível é tênue. O marketing multinível é um modelo de venda direta, que inclui o recrutamento de vendedores e também a participação no lucro dos recrutados. Esta prática é considerada lícita, e não se sustenta pela adesão de novos membros. O problema ocorre quando a rede é a própria sustentação do negócio, passando a configurar pirâmide.

Em muitos casos, o investimento aparece revestido de “marketing multinível”, mas usa modelos característicos de pirâmide e não-sustentáveis, ou seja, o produto oferecido não é a fonte principal dos recursos obtidos pela empresa, ou, simplesmente, não existe.

Geralmente, as pessoas que trabalham com pirâmides financeiras oferecem convites para eventos e palestras sem oferecer muitas informações ou detalhes. São apresentações onde os palestrantes contam apenas suas histórias de sucesso, de como enriqueceram exponencialmente em pouco tempo e melhoraram radicalmente de vida exclusivamente por representar a empresa em questão. Fique atento nesses casos, pois você pode estar diante de um esquema fraudulento.

Além de trazer prejuízo para quem está do meio para baixo do sistema piramidal, a organização tem vida curta. Diante do discurso de persuasão, as pessoas ficam na expectativa de chegar ao topo e se deslumbram com a possibilidade de mudar de vida. É importante analisar a empresa antes de tomar a decisão de se associar, pois esse ciclo perigoso pode levar à ruína financeira, e em alguns casos, a decadência é imediata.

O Brasil é provavelmente o país Número 1 do mundo criador de pirâmides financeiras. As razões são diversas, mas não vamos discutir esse assunto nesse artigo.

Hoje, vamos falar sobre como identificar uma pirâmide financeira e não cair num golpe, ou seja o que NÃO é uma empresa legítima de e sim, uma fraude.

A procura pelo setor de vendas diretas aumentou depois da crise econômica que atingiu o país por se tratar de um mercado com reais possibilidades de ganhos e crescimento. Infelizmente, são em ocasiões assim que também aparecem as empresas que praticam a chamada pirâmide financeira. Elas quase sempre tentam se passar por organizações do mercado de vendas diretas e marketing multinível. Entretanto, são completamente diferentes, além de ilegais.

Mas, você sabe identificar quando uma companhia está adotando uma pirâmide financeira? Veja algumas dicas para reconhecer mais facilmente a prática e evitar de cair em uma armadilha.

Nos tempos modernos, com tanta gente já enganada, os donos das novas pirâmides precisam ser muito mais criativos para conseguir novas vítimas.

Num passado não muito distante era suficiente falar: “Invista R$ 1.000 e a gente vai te pagar R$ 1.500 por mês no período de um ano” para conseguir um monte de “gente inocente” prontas para vender carro e casa para entrar no esquema.

É um modelo comercial previsivelmente não-sustentável que depende basicamente do recrutamento progressivo de outras pessoas para o esquema, a níveis insustentáveis.

Jusbrasil

Ultimamente, porém, o povo parou de acreditar nessas empresas “milagrosas” e as novas pirâmides já vem com discurso de produtos, sustentabilidade, etc. na tentativa de disfarçar suas atividades ilícitas e aparecer como uma empresa legítima de Marketing Multinível.

 

piramides financeiras

 

Vamos ver então o que NÃO é Marketing Multinível e SIM uma Pirâmide Financeira:

 

– Os Produtos

Um dos argumentos dos golpistas é que a empresa deles tem produtos e por isso não é pirâmide. Ter produtos por si, porém, não é nenhuma garantia ou prova de legitimidade.

LEIA TAMBÉM:  Os 10 Indícios para Identificar um Golpe de Pirâmide Financeira

O produto de uma empresa de Venda Direta tem que ser inovador (diferente de tudo que já existe no mercado), de muita procura, com altíssima qualidade e preço muito competitivo.

NÃO é sustentável uma empresa de Marketing Multinível que vende o que todo mundo vende – nesse caso as pessoas vão entrar nela não por causa do produto, mas para ganhar dinheiro por causa das novas entradas e isso é um esquema de pirâmide financeira.

Você entraria numa empresa de Marketing de Rede para vender fornos, refrigeradores, TV’s, etc. sabendo que tem milhões de lojas e sites que vendem esses tipos de produtos, as vezes até com um desconto bem interessante? Quem compraria de você esses produtos, por qual razão? Essa é uma indicação muito clara de que a empresa não se sustenta com vendas do produto e sim com a entrada de novos membros, ou seja, uma pura pirâmide.

Outros tipos de produtos que indicam que uma empresa é fraude (piramide financeira) são: metais preciosos (ouro, prata, etc.), pedras preciosas (diamantes, etc.), moedas eletrônicas (bitcoin, etc.) combustíveis, energia, enfim – commodity. Não tem lógica nenhuma vender produtos que primeiro – não foram desenvolvidos pela sua própria empresa e segundo – a sua empresa não tem controle sobre os preços desses produtos.

Uma empresa precisa oferecer um produto que seja útil ao seu consumidor. Se a organização trabalha com algo que já existe de forma gratuita ou muito mais barato no mercado, ou se ainda é um item sem qualquer utilidade prática, possivelmente se trata de esquema. Questione mais sobre como o consumidor irá se beneficiar com o produto oferecido.

 

– O foco no Recrutamento

Geralmente, as pessoas que trabalham com pirâmides financeiras oferecem convites para eventos e palestras sem oferecer muitas informações ou detalhes. São apresentações onde os palestrantes contam apenas suas histórias de sucesso, de como enriqueceram exponencialmente em pouco tempo e melhoraram radicalmente de vida exclusivamente por representar a empresa em questão. Fique atento nesses casos, pois você pode estar diante de um esquema fraudulento.

É fácil identificar a intenção de uma empresa ouvindo o discurso dos distribuidores dela. Eles falam só sobre ganhos, premiações, cruzeiros ou estão mostrando os produtos com orgulho explicando os benefícios de usar?

Formando rede numa empresa de Venda Direta é importante, sim. Isso ajuda o seu negócio crescer já que você é bonificado pela performance da sua equipe.

Porém, se recrutando é o único foco da empresa e quase nunca se fala sobre os produtos, é obvio que sustentabilidade não existe e o lucro é baseado somente na entrada de novos integrantes.

Procure conversar com os revendedores que não sejam “diamante”, “top” ou palestrantes da empresa. Da mesma forma, pesquise bastante sobre ela, veja se é uma associada da ABEVD, se possui muitas reclamações. Quanto mais souber a respeito da companhia, menos chances de cair em uma pirâmide.

 

– Distribuição de Cotas, Ganhos Fixos, Divisão de Lucro

Vamos deixar isso bem claro – uma empresa de Venda Direta NÃO é um banco, nem um fundo de investimento! Numa empresa de Venda Direta você compra os produtos ou serviços com desconto e revende com lucro. Você também pode aumentar seus pontos de distribuição cadastrando novos distribuidores.

Porém, você NÃO pode virar sócio e receber pagamentos fixos, cotas ou parte do lucro da empresa – isso não faz sentido nenhum no mercado de Marketing de Rede!

Um exemplo:

Porque o dono de uma empresa legítima de Marketing de Rede ira dividir o lucro da empresa com os distribuidores sem garantia nenhuma que eles vão trabalhar e contribuir com o crescimento da empresa?

LEIA TAMBÉM:  Os 10 Indícios para Identificar um Golpe de Pirâmide Financeira

Porque o dono de uma empresa de Marketing Multinível ira convidar pessoas desconhecidas para ser os sócios dele e participar na divisão do lucro?

Se alguém faz isso – a razão é só uma e muito simples. Ele só quer o dinheiro deles!

No mundo financeiro existe esse tipo de empreendimento sim, chama se fundo de investimento. A empresa tem que ser cadastrada e autorizada pelo Banco Central para ter o direito de atuar no mercado financeiro. E isso NÃO tem nada a ver com o mercado de Venda Direta!

Enfim, se uma empresa distribui cotas, paga fixo ou divide lucro com os distribuidores falando que é empresa de Marketing Multinível, ela NÃO é – é simplesmente uma pirâmide financeira disfarçada.

 

– O CNPJ

Outro truque usado ultimamente envolve o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica. Para aparecer como uma empresa séria e estabelecida no mercado, os donos das pirâmides compram uma empresa registrada anos atrás que estava inativa por muitos anos.

Nesse caso o discurso e os materiais de marketing usados pelos distribuidores sempre vão incluir o CNPJ para “comprovar” que o negócio é sério e está no mercado já faz tempo.

Qual empresa legítima precisa estampar para os seus clientes ao CNPJ dela? Óbvio que isso é uma indicação de alguém mal-intencionado. Mas é fácil de descobrir se esse for o caso. Basta pesquisar a data de cadastro do site da empresa. Exemplo, se o CNPJ foi emitido 10 anos atrás e o web site foi cadastrado alguns meses atrás – com certeza tem algo errado. Não é normal ter empresa ativa por tantos anos sem ter um site, mesmo se for simples e não muito profissional.

 

MMN vs Piramide

 

A grande parte das empresas que se valem deste golpe trabalham com perfumes, cosméticos, aparelhos eletrônicos, controle de peso e rastreamento veicular. A apresentação do projeto faz parte do jogo de convencimento e, durante as reuniões, as empresas exibem carros luxuosos, viagens para o exterior, festas, entre outros atrativos para os associados.

Segundo o Boletim de Proteção do Consumidor, algumas características são essenciais para evidenciar uma pirâmide.“Sequência comum de eventos, atraso nos pagamentos, dificuldade de contato com os responsáveis, pouco detalhamento dos riscos e oportunidades apresentadas como imperdíveis que exigem uma decisão imediata”.

De acordo com o Boletim de Proteção do Consumidor/Investidor CVM/DPDC, a informação é a primeira linha de defesa do investidor contra golpes e outras irregularidades. “Desconfie de promessas de retornos elevados com baixo risco. Rentabilidade e risco costumam andar de mãos dadas, se é bom demais pra ser verdade, provavelmente não o é”.

Promessa de ganho financeiro com poucas horas de trabalho por dia, as pirâmides financeiras, podem apresentar sedutoras promessas de lucro a curto prazo, mas acabam causando prejuízo à maior parte de seus participantes ao longo de seu funcionamento. Para esclarecer as diferenças entre a Pirâmide Financeira e Marketing Multinível, a Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon/MJ), lançou a 6ª edição do Boletim de Proteção ao Consumidor/Investidor, elaborado em parceria com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O Boletim apresenta as diferenças de funcionamento entre os esquemas de pirâmide financeira e marketing multinível. A principal diferença entre a Pirâmide Financeira e Marketing Multinível é que na primeira não existe a venda de um produto real que sustente o negócio, ou seja, a comercialização de produtos ou serviços tem pouca importância para a sua manutenção. Assim, para o esquema de pirâmides, a principal fonte de renda é o incentivo à adesão de novas pessoas ao negócio, o que faz com que seu crescimento não seja sustentável.

Entenda as diferenças entre pirâmides financeiras e marketing multinível no 6º Boletim CVM/Senacon abaixo.

 

A diferença entre Pirâmide e Marketing Multinível from Ben Popov

 

Ben Popov

Consultor de Marketing Digital e Marketing de Rede com mais de 15 anos de experiência. Fundador da AulaPlus - Marketing Digital e BlasterPhone Telecomunicações. Ben é "importado" da Bulgária e mora no Brasil desde 2000.